Logotipo
  • 21 96499-7191
  • anagea@anagea.org.br
  • São Paulo São Paulo
Destaques
GESTÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE MARKETING: PERSPECTIVA E OPORTUNIDADE NO SEGMENTO ORGANIZACIONAL

GESTÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE MARKETING: PERSPECTIVA E OPORTUNIDADE NO
SEGMENTO ORGANIZACIONAL

RESUMO
Este artigo teve por objetivo analisar sob o ponto de vista do administrador, como a Gestão Ambiental pode ser processada como instrumento de marketing, no intuito de alavancar perspectivas e oportunidades no seu segmento organizacional. Para tanto, optou-se por uma pesquisa com base na
revisão da literatura cujos dados levantados permitiram constatar que as políticas ambientais adotadas pelas empresas de sucesso, produziram o entendimento de que aquelas que se manifestam preocupadas em implantar a gestão ambiental, parecem ter em mente duas idéias distintas: a
primeira de se antecipar em um procedimento, que tende a ser imputado como obrigatórios a todas as empresas, em função da sustentabilidade ambiental; e a segunda, a de que essas empresas, já dispostas a implantar esse modelo de gestão, geralmente estabelecem uma política ambiental, que
além de cumprir as condições necessárias, possa agregar aos seus produtos e à sua marca e imagem elementos valorativos, mesmo que intangíveis, de forma a ser percebido pelo seu mercado-alvo. Nesse caso, entende-se que a gestão ambiental implantada por uma empresa pode ser utilizada pelo
marketing, de forma a transmitir ao cliente a idéia desse modelo de gestão que é um diferencial componente dos produtos e da marca da empresa. E, isso, pode ser indicado através de pesquisa de valoração da ética e da responsabilidade social. Porém outras formas podem ser utilizadas pelo
marketing em função da gestão ambiental, tais como a certificação ambiental, os selos ecológicos de produtos e muitos outros.
Palavras-chaves: Gestão ambiental; Marketing; Oportunidade, Visão Organizacional.

1. INTRODUÇÃO.
Na contemporaneidade, o mundo, de maneira geral, especialmente nos países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, tem vivenciado um quadro de contrastes sociais e ambientais muito importantes. No âmbito social as diferenças sociais, ampliadas pela má distribuição de riquezas, fome, miséria entre outros tornaram-se evidentes, requerendo intervenção do governo, políticas públicas sociais, no sentido assistencial, objetivando atenuar a gravidade do problema. No contexto ambiental a preocupação tornou-se uma questão mundial, principalmente por perceber que a degradação ambiental constitui-se em um grave problema para as gerações futuras, necessitando, portanto, de atitudes de todos e da integração entre Estado, sociedade e organizações. Há algum tempo a preservação do planeta foi percebida como preservação da própria vida, o que ocorreu a partir de uma trajetória de ocorrências, cujos efeitos foram sendo evidenciados de forma contínua e acumulativa. Inicialmente, percebeu-se uma gravidade que apontava para a extinção de diversos animais. Posteriormente, a preocupação voltou-se para as questões da degradação, em virtude de desmatamentos de florestas, da poluição do ar, dos recursos hídricos e outros. Depois a poluição industrial e agrícola, passou a integrar as
preocupações, principalmente, nos países em desenvolvimento e, por fim a identificação das graves conseqüências e dos riscos para todo o planeta (WEBER, 1999). Nessa trajetória e num momento mais recente ainda, em virtude das poluições industriais e agrícolas, das degradações ambientais de todas as formas, percebeu-se que o segmento organizacional, delineados pelas empresas industriais, comerciais e de serviços eram partes efetivamente integrantes dessas disfunções ambientais e, portanto, responsável pela participação nas soluções possíveis.
Com o advento da gestão ambiental, que procurou estabelecer o desenvolvimento sustentável, impondo responsabilidades às empresas em virtude das pressões dos seus públicos-alvo, passaram também a representar a parte mais importante para a solução dos problemas ambientais. Pois, além de estabelecer a gestão ambiental nos seus limites, as empresas passaram a determinar o gerenciamento de objetivos planejados e,
consequentemente, conscientizar os seus colaboradores, da importância da responsabilidade, para a agregação de valor competitivo. Para o profissional da Administração os desafios passaram a ser ainda maiores, uma vez que a gestão empresarial tem como principal objetivo a melhoria da atuação e o aumento da produtividade, através de técnicas de gerenciamento e uso de tecnologias. Contudo, são cada vez mais complexas as relações das empresas e o meio ambiente em que estão inseridas, seja com a concorrência, com os colaboradores, com as entidades públicas, sociedade, dentre outros.
Diante das considerações e buscando elaborar um estudo que incorporasse resultados úteis e aplicáveis, bem como, uma condição de reflexão sobre a realidade vivenciada tanto pela sociedade, quanto pelo segmento empresarial, estabeleceu-se por objetivo “analisar como a Gestão Ambiental pode ser processada como instrumento de marketing, no intuito de alavancar perspectivas e oportunidades no seu segmento  organizacional”.
Com esse dimensionamento, optou-se pela revisão da literatura, no sentido de garantir a fundamentação teórica da discussão.

Artigo na Integra  Fonte : www.aedb.br

Clips Noticias Categorias

Logotipo
Endereço
  • Largo Sete de Setembro-52 Cj 303
  • -Liberdade
  • São Paulo-São Paulo
Inovação e Companhia - 2021